O que eu senti quando li A Amiga Genial de Elena Ferrante

Faz tempo que não apareço por aqui, mas o motivo de minha falta é bom. Fiquei grávida, trabalhei até o último segundo antes de dar à luz. Agora, eu e a bebê somos um time e por isso consegui ler e também escrever sobre essa obra. 😊

Antes de pedir o livro de presente para um amigo, fiquei realmente na dúvida se o frenesi em volta dessa Série Napolitana tinha um fundamento estético de qualidade. Via os booktubers que acompanho se tornarem fãs de uma hora para outra e fiquei seduzida pelo hype que toda essa empolgação criou.

O(a) autor(a) – parece que é autora – é desconhecido enquanto pessoa. Elena Ferrante nem é seu verdadeiro nome, mas esse pseudônimo tem percorrido o mundo e feito sucesso de vendas desde o lançamento de L’amica Geniale, em 2011, na Itália.

Não é sem razão então a paixão que surge nos leitores de Ferrante. Eu mesma, preciso confessar, fiquei arrasada quando terminei de ler o primeiro volume sem ter em mãos o segundo. Terminei a leitura ontem e somente o ímpeto de falar dele pode ajudar a curar esse sentimento de abandono.

Durante duas semanas, entre mamadas e dormidas quebradas, Lila e Lenu foram minhas companheiras. Fizeram-me sentir o calor de Nápoles, querer falar italiano novamente e até conhecer o Vesúvio.

Nápoles

Não só isso, ao ler a história dessas duas amigas fui logo seduzida por uma narradora veloz, franca e direta. Eu realmente gosto quando o autor cria um personagem narrador que te carrega para dentro da história e te torna parte dela. A amiga genial é assim. Lenu vai levando a gente para conhecer a sua gente e o seu bairro e, principalmente, sua amiga Lila.

A história começa na vida adulta quando o filho de Lila, Rino, liga para Lenu e diz que a mãe sumiu, levando tudo, sem deixar vestígio algum. Parece que para não se suicidar a personagem tenta de fato sumir da face da Terra, mas a amiga Elena Greco, Lenu, decide reverter essa situação e começa a narrar tudo, desde a infância, quando conheceu Lila Cerullo, até a maturidade. Na contramão do sumiço da amiga, vemos uma tentativa de registrar com o coração a existência dela e o surgimento de uma amizade marcada pela importância que Elena Greco dá à Lila.

Do texto é possível extrair algumas questões interessantes que envolve a geração pós-guerra. O trabalho e a função que as meninas, Lila e Lenu, têm que desempenhar diante da família e dos amigos é o terreno onde essas questões se desdobram. Trabalhar duro parece ser a solução concreta para viver e desenvolver o bairro, enquanto que o estudo parece algo irreal, inútil e inacessível, sem resultados imediatos para a sobrevivência. Os relacionamentos amorosos e os casamentos também são (de)formantes na história das meninas.

Assim, a amizade das duas vai sendo transformada em relações de poder com os rapazes, com os professores, com as famílias, e, também uma com a outra. Pelo o olhar de Elena Greco, a Lenu, vemos a espiral que é sua relação com Lila. Se completam, se invejam, se destroem, se amam, se odeiam? Difícil responder. Talvez, seja tudo isso junto. É desse suco que temos a impressão de que a relação de amizade entre as duas é real como as que travamos na vida.

Como conhecemos Lila através de Lenu, sentimos que Lila é superior, mais segura de si, mais inteligente, mais bonita, mais tudo. Enquanto que Elena parece sempre uma sombra ou um espelho tentando refletir um espectro da amiga. Sua identidade enquanto pessoa vai se formando a partir dessa amizade. Vemos aqui o retrato da tradicional comparação que fazemos quando conhecemos uma pessoa do nosso mesmo gênero. Aqui o mundo do feminino pulsa em sua cara mais conhecida: a competição.

Uma é princesa a outra é a bruxa, em outro momento uma é santa, a outra a devassa, e aqui seguimos enlouquecidas por ver que esses traços dissonantes são acordes constituintes de cada uma das personagens.

O mais interessante ainda é notar que por mais detalhes que a narrativa nos traga sobre o que acontece com cada uma das meninas, mais e mais nos parece que as duas nos são desconhecidas. As facetas mostradas são complexas, mas unilaterais. Conhecemos, talvez, um tanto melhor a narradora fantástica que é Lenu, pois ela é o prisma que nos parece mais rico do que a pintura engrandecedora, ainda que complexa, da amiga. Mergulhamos no íntimo da autoria de seus sentimentos ao repassar a amizade para o papel e no final nos perguntamos quem é de fato a Amiga Genial, Lina ou Lenu?

Depois repasso aqui o que vai me causar o restante da Tetralogia! No mais, descobri que essa Série Napolitana vai virar série de TV no próximo ano. De qualquer forma, fica aqui a indicação de leitura antes que vire imagem, para não perder nenhum fio dessa narrativa!

Autora: Suellen Lima. Formada em Letras, é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Estudante de Jornalismo. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com e no ig @leituresca!

 

A criança de 150 anos | Alice de Lewis Carroll

A pior coisa do mundo é sabermos tudo sobre a vida de alguém que não conhecemos! Afinal, de que adianta? Essa era a minha relação com o livro Aventuras de Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll. Uma fofoca pela metade!

Por ser uma referência desde o filme de Walt Disney de 1951, facilmente me deparo com sua imagem em cadernos, blusas, pingentes, etc., mas nunca parei para ler de fato essa mocinha de mais de 150 anos. Apesar da idade, Alice não caducou. A irreverência de sua história continua a cativar aqueles que se predispõem a perseguir o coelho branco e ler o livro.

A obra foi publicada em 1865 e com a ajuda das ilustrações de John Tenniel, importante ilustrador da época, inaugura a estética do nonsense, ao mesmo tempo em que abre as portas do mercado editorial inglês para livros voltados especificamente para o divertimento das crianças.

O enredo começa com Alice já questionando para que serve um livro sem diálogos e sem figuras. Se essa questão não é a razão de ser da literatura infantil, qual seria? Entediada ao lado da irmã que lia, Alice de repente é surpreendida por um coelho branco de colete e de relógio de bolso, reclamando que está atrasado. Basta esse mote para que qualquer criança ou adulto fique ardendo de curiosidade e continue a ler o livro. (É claro que se o livro tivesse sido lançado ontem a curiosidade seria muito maior!)

white-rabbit

 

Antes que se diga algo a mais sobre a história, é importante que o leitor saiba que há dois caminhos de leitura que podem vez por outra se cruzarem. Um dos caminhos é ler viajando nas imagens absurdas e até mesmo psicodélicas sem a preocupação com o sentido ou com o significado por trás de cada cena; o outro caminho é ler parando para pensar na crítica à sociedade vitoriana e nos possíveis questionamentos existenciais que a obra suscita.

Qualquer um dos percursos escolhidos e até a intersecção deles são suficientes para que o leitor se depare com as principais contradições trabalhadas no livro: sonho x realidade e lógica racional x loucura. Vale ressaltar que essas oposições não se anulam, mas se combinam para que o leitor tenha um momento de base e se escorregue para a ruptura.

Nessas combinações contraditórias nos deparamos com:

  • a pontualidade dos ingleses na figura do coelho que sempre está correndo;
  • a crítica às várias histórias para crianças que necessariamente carregavam uma moral, visando o comportamento social e a educação moral;
  • os questionamentos ontológicos do tipo “quem sou eu?”, associados aos momentos em que Alice cresce e diminui de tamanho diante dos desafios com os quais se depara;
  • a loucura e a insensatez presentes na cena famosa do chá com o Chapeleiro, que também se remete ao costume inglês do chá das cinco;
  • a crítica ao comportamento de sua sociedade em julgar/sentenciar/condenar antes que se tenha o veredicto (inocente ou culpado), leia-se: “não tenho provas, mas tenho convicção que…”screen-shot-2014-09-15-at-11-29-14

Há ainda uma relação interessante dos livros do Carroll com jogos que envolvem raciocínio lógico, como o jogo de cartas e o xadrez, ao tornar suas respectivas peças em personagens. Talvez, e aqui deixo toda a minha reputação como leitora vulnerável, a escolha esteja associada ao fato de que esses jogos representem sociedades aristocráticas (Rei, rainha, coringa, valete, dama, bispo, peão), tal como a inglesa, em que cada elemento desempenhava uma função determinada dentro de um conjunto de regras.

Alice causa uma ruptura no sistema de regras do jogo-sociedade com sua personalidade questionadora, imaginativa, crítica, sonhadora, capaz de inverter a ordem natural das coisas, chegando a se aproximar da loucura.

Ora! E quantos por aí não foram considerados loucos somente pelo fato de serem subversivos e transgressores do sistema de regras vigente?

Será se já temos razões suficientes para ler o livro? Espera… Acrescente um pouco de animais estranhos, um gato que sorri, uma rainha de copas tirana, misture tudo até homogeneizar. Pronto, agora pode se servir. Não esqueça o chá!

 

Compre o livro pelo link e ajude o Leituresca.com!

sem-titulo-4https://goo.gl/qTvHJW

https://goo.gl/2h9YLW

 

 


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

 

 

 

 

Olívia de Erico Verissimo, uma brasileira.

É quase impossível falar sobre apenas um aspecto de uma obra tão rica como Olhai os lírios do campo. O romance, publicado em 1938, narra a história de Eugênio, um médico de origem modesta que ao ter notícias do estado terminal de Olívia, seu grande amor, passa a rememorar sua trajetória de vida a caminho da despedida no hospital.

download-6
edição atual

Enquanto Eugênio faz um check-up de si mesmo, o leitor mergulha em uma Porto Alegre dos anos de 1930, em que temas e tabus, como: casamento, aborto, virgindade, desquite (divórcio no Brasil só em 1977), fascismo, arte moderna, diferenças sociais, entre outros, ajudam a compor uma trama robusta de conflitos.

Tal como em Dom Casmurro, somente conseguimos entrever a personagem feminina (Olívia, Capitu) pela perspectiva do personagem principal (Eugênio, Bentinho) por meio de um exame de consciência. O que diferencia essas obras em paralelo é que a voz de Olívia está exposta, além de nos diálogos, nas cartas deixadas a Eugênio. Ainda assim, não temos acesso na íntegra ao conteúdo das cartas, apenas lemos as passagens que o reviram por dentro.

Incapaz de amar a Deus e até a si mesmo, o médico se sustenta na abstração do que foi Olívia em vida. Para regenerar-se do egoísmo, da mesquinharia e do complexo de inferioridade, o personagem acaba transformando-a em uma Santa, uma mentora que irá guia-lo para o caminho da redenção. Exemplo de fé, altruísmo e dedicação, Olívia parece muitas vezes como inumana.

edição que tinha na casa dos meus pais quando eu não sabia ler.
edição que tinha na casa dos meus pais quando eu não sabia ler.

Embora de caráter divino para ele, Olívia poderia representar um choque para os anos de 1930 (e para hoje?), por se desviar de alguns valores morais tidos como definidores de “pessoas de bem”, “corretas” e “direitas”.

Não é sem motivo que Eugênio diz que o passado dela é obscuro, apenas por não ter sido seu primeiro parceiro sexual. Na história, o leitor desconhece as repercussões sociais do seu relacionamento com o personagem, mas, pelo contexto social e pelas situações que abordam o trinômio virgindade-gravidez-aborto, entende que ser mãe solteira era também um desvio.

Olívia é mulher sem família, é mulher sem origem. Mora de favor na casa de alemães. A tentativa de Eugênio em encontrar seu passado mostra que para “conhecer de fato” alguém era preciso dar origem, saber as procedências da moça. O relacionamento todo tinha sido pautado somente na trajetória dele, mas e a trajetória de Olívia? Nada sabemos. Precisamos?!

“Olívia não tinha irmãos. Nunca lhe falara em nenhum Carlos. Por que motivo estava tal fotografia naquele álbum de recordações? Examinando-a mais de perto, verificava ainda uma vez que a sua superfície esmaltada estava quebrada em muitos pontos, dando a impressão de que a fotografia havia sido um dia amassada talvez por uma mão raivosa. Eugênio não se podia furtar a um sentimento de ciúme, pois tinha desconfiança de que aquele Carlos estava ligado à parte escura do passado de Olívia. Sim, talvez fosse o homem que primeiro a tivera nos braços.” 

 A “transgressão” também está no fato dela ser a única mulher na sala de Eugênio a cursar Medicina. Os colegas de curso apenas conseguem aceitar sua presença quando passam a trata-la como um colega, um companheiro (escrito em itálico no livro, mostrando o destaque do autor para a diferença dos papéis de gênero).

O foco narrativo de Eugênio diz muito do olhar da sociedade que precisa assimilar Olívia, mas não consegue. Sem sabermos narrativamente (começo-meio-fim) a trajetória dela, nos encantamos com seus ensinamentos de Fé e com os obstáculos que é viver, sendo tudo isso: mulher, pobre, mãe solteira. Sua coragem e sabedoria são imensas, quando diz que “a vida começa todos os dias” e, mais ainda no trecho:

“Procurar nossa felicidade através da felicidade dos outros – aconselhava Olívia noutra carta sem data. – Não estou pregando o ascetismo, a santidade, não estou elogiando o puro espírito de sacrifício e renúncia. Tudo isso seria inumano, significaria ainda uma fuga da vida. Mas o que procuro, o que desejo, é segurar a vida pelos ombros e estreitá-la contra o peito, beijá-la na face. Vida, entretanto, não é o ambiente em que te achas. As maneiras estudadas, as frases convencionais, o excesso de conforto, os perfumes caros e a preocupação do dinheiro são apenas uma péssima contrafação da vida. Buscar a poesia da vida será coisa que tenha nexo? ” 

Mas afinal, se nem santa, nem prostituta, quem é Dra. Olívia?

Apenas mais uma brasileira.

 

Compre o livro pelo link da Amazon e ajude o blog:

sem-titulo-4

https://goo.gl/8bsiSG

 

 

13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !