As redes sociais atrapalham a sua leitura? | Vivências Literárias

Antes de responder essa pergunta, conte quantos dispositivos móveis você tem ao seu redor, e não esqueça de incluir o computador e a televisão que você assiste de vez em quando. Contou? É…pois é. Aqui em casa tenho (vamos lá): 1 smartphone; 1 notebook; 1 tablet (que substitui por um Kindle). Além da tevê.

Até aí tudo bem. O problema começa quando se conta quanto tempo é gasto em redes sociais ou meios virtuais (facebook, twitter, whats, instagram, snapchat, e-mail…) e em serviços de stream de jogos, de filmes e séries também.

Junte tudo isso com o tempo que você gasta no trabalho, atendendo telefonemas ou na frente do pc; com o tempo no supermercado, nas filas da vida. Ah, você faz atividade física? Acrescenta aí. Faz faculdade também? É mãe, é pai? Eita!

13508915_1117969408241746_877354344096883845_n

Fica difícil depois de um dia cheio sentar em uma cadeira e ler um livro por uma hora sem interrupções, não é? Justamente porque a culpa não está nas redes sociais, no netflix ou na TV, nem no seu trabalho ou nos seus estudos, que estão te roubando desse prazer imenso que é ler. Seus filhos (pasmem!) também não são culpados por te afastarem para sempre dos livros.

De quem é a culpa?

Antes de sair apontando o dedo… é bom sabermos que alguns fatores estão contribuindo para despedirmos a literatura do nosso cotidiano. A atenção que dispensamos para atividades de concentração, que exigem uma postura serena, de compenetração e calma está cada vez menor. Falta paciência e geralmente estamos muito pilhados ou estressados para isso, já que associamos essa diminuição de ritmo ao sono.

Um outro fator interessante é que associamos a leitura de textos não informativos a algo inútil. Sempre pensamos: “Não tenho tempo para isso!” por mais que o propósito de se ler seja variado – divertimento, terapia, prazer, etc. A verdade é que as prioridades mudam quando as atividades estão relacionadas à saúde mental.

cucrtwk

Por trás dessa expressão de não se ter tempo estão valores muito difíceis de serem driblados. Nos acostumamos à rapidez, à necessidade, à utilidade, à produção, à eficiência, à praticidade… Fomos, enfim, afeiçoados a resolução de problemas e, muitas vezes, parece que viver se reduz a resolver situações complicadas e receber recompensas. Aparentemente, tudo que está fora desse padrão não merece dedicação, porque não tem “troco”; no máximo, serve para se glorificar, dizer que tem ou que leu, que conhece, que comprou…

Por conta desses valores que interiorizamos tanto, gerir o nosso tempo ficou mil vezes pior. Ainda assim, diante de tantas coisas para se fazer, conseguimos ficar entediados! Infelizmente, não tenho a resposta para o tédio.

O que quero sinalizar aqui é que para se ler mais e melhor não precisamos demonizar a internet e tudo o que ela nos oferece, mas precisamos perceber que os valores e as crenças associados à “pressa de se fazer ou se ter algo” são nefastos se forem exclusivos e se eles também estiverem permeando nossas leituras e nossas atividades estéticas tanto de criação como de apreciação.

Tv GIF - Find & Share on GIPHY

A dica que pode dar certo, mas que ainda não testei, é a de separar um tempo na semana para cada coisa, sem que elas atrapalhem umas às outras ou virem uma obrigação opressora. Por isso, não precisamos de maratonas de leituras, nem de listas quilométricas de livros, de filmes, de HQ, de séries e nem de ler três ou mais livros ao mesmo tempo. Nada disso!

A prioridade dessa prática é a valorização da experiência e da vivência de cada momento no seu devido tempo, ou seja, atribuir sentido e significado ao que você faz com o seu tempo de vida.

Então é isso, relaxa, respira e abra a primeira página…


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras, é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

O que tem de bom na Revisão Textual | Linguística & Literatura

Desde que comecei a trabalhar como revisora de textos (não tenho mais sossego), muitas pessoas me perguntam se esse tipo de trabalho não é muito maçante ou mecânico demais. A dúvida sempre gira em saber como eu reviso, como eu consigo saber todas as regras gramaticais para corrigir textos. Aos poucos, comecei a perceber que as pessoas têm uma ideia muito dura sobre o que é a revisão.

491a5044-5472-4ec3-a900-38c8d6d1113a

Para começar é bom esclarecer que não sou um compêndio de regras ambulante, apesar de trabalhar com a gramática e com o dicionário todos os dias. Também é importante esclarecer que, como não sou a dona desse tipo de saber extraordinário, não posso ser vista como uma juíza que vai condenar todas as linhas do seu texto a ficarem vermelhas ou cortadas e que vou destruir sua produção com meu olho biônico.

Além de fazer (re)visão, também trabalho com CONSULTORIA LITERÁRIA. Nossa! Que bicho é esse? Existem, na verdade, muitas agências de consultoria literária que são compostas por críticos, escritores e editores que vão ajudar o escritor a colocar seu projeto literário adiante.

No entanto, eu que sou só formada em Letras também faço esse trabalho. A minha consultoria literária, por exemplo, se preocupa em instruir e em dar soluções para que o autor tenha bem claro em sua mente como adequar aquela ideia a uma forma, tendo consciência da estrutura e dos efeitos de sentido que deseja causar no leitor. Muitos apenas dizem: “corta isso”, “tá feio isso, hein”, “não gostei”, “hum, inadequado”, “olha essa gordurinha aqui”… “não gostei”. Um bom consultor não deve fazer isso!

Na minha opinião, um consultor nunca deve personalizar o processo por mais que esteja certo em seus apontamentos, ou seja, nada de usar expressões do tipo “não gostei”, “acho melhor assim”. Da mesma forma, ele não deve se dirigir ao autor que está contratando o serviço como sendo o culpado, como sendo um réu que causou todos aqueles problemas. Então, nada de usar expressões como: “você fez isso e aquilo, por isso que seu texto está assim”, “você precisa fazer tal coisa”.

educacao021

O que o consultor gosta ou acha melhor para um texto não pode ser digno de respaldo para modificá-lo. A primeira coisa que você vai pensar é: “E daí?” “O que o seu gosto tem a ver com isso?”. Nada! Nada mesmo! Porque de fato a justificativa não tem que estar na pessoa do consultor, mas no texto. O autor também não deve se desculpar em uma espécie de rendição, porque as falhas não estão em você (autor), mas no texto, na configuração dele. Portanto, você precisa é de ferramentas para conseguir o que você quer e não um julgamento, ainda que a sua necessidade seja a mais básica.

Ah então você tá querendo dizer que a revisão não proporciona isso? Que ela é realmente mecânica e menos instrutiva? Não! Porque uma boa revisão leva em consideração o texto como uma unidade, um todo que precisa ser analisado de acordo com os seus sentidos. Como o texto é o centro, todo o percurso da revisão e da consultoria tem que ficar claro para o escritor (cliente), ou seja, nunca delete e reescreva sem marcar o que você está interferindo. É como um trabalho de restauro, em que a intervenção tem que aparecer no documento para não descaracterizar a sua constituição. Ok?!

2015938317178370

Então, para que um texto tenha seu sentido compreendido ele precisa passar por todos os passos de uma revisão gramatical (ortografia, regência, pontuação e etc.), mas sem nunca perder de vista a análise do gênero textual nem as tipologias textuais utilizadas. Da mesma forma, não se pode esquecer de ver a coerência e nem deixar de analisar como o autor trabalha os aspectos literários em seu texto (personagem, linguagem, tempo, espaço, cenário, trama etc.).

Ufa! Tudo isso? É, e não importa se seu texto é acadêmico, literário, jornalístico… Tudo começa pelo gênero textual e o que concerne a ele. Então, tanto a (re)visão como a consultoria são um ato de amor e de ensino também. É assim, amigos, que casamos Literatura e Linguística para sempre!

prosapoetica

 


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras, é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

Lidos de 2016! | RetrôBooks

O ano está quase acabando e achei importante fazer um balanço das minhas leituras de 2016 para ajudar a planejar 2017! Nem todos os livros da lista tem resenha aqui no blog, mas se quiserem… é só pedir! Indicações de 2017? Manda aí! Comprando pelos links da Amazon, você ajuda o Blog a continuar existindo. Feliz Natal hohoho

tumblr_inline_oi6y33bxyw1qz4ji8_500

1. Drácula – Bram Stoker

download-2-copia

 http://amzn.to/2i4MUQg

Um pavoroso embate entre bem e mal que seduz milhares de leitores há mais de um século. Fonte de inúmeras adaptações para telas e palco, inspiração para músicos, escritores e artistas de todas as áreas, Drácula é um ícone incontestável e obra-máxima de Bram Stoker. De um lado o conde Drácula – o mais famoso vampiro da literatura – e sua legião crescente de mortos-vivos. De outro, um grupo unido e decidido a caçá-lo: Jonathan e Mina Harker, o médico holandês Van Helsing e seus amigos. Romance epistolar ágil e bem-construído, esse livro enredará também você nessa dramática corrida contra o tempo. Essa edição traz o texto integral de Bram Stoker, centenas de notas, apresentação e cronologia de vida e obra do autor, tudo isso no padrão de qualidade dos Clássicos Zahar. A versão impressa apresenta capa dura e acabamento de luxo.

2. O Velho e o Mar – Ernest Hemingway

download-3

http://amzn.to/2hfX8AF

Depois de anos na profissão, havia 84 dias que o velho pescador Santiago não apanhava um único peixe. Por isso já diziam se tratar de um salão, ou seja, um azarento da pior espécie. Mas ele possui coragem, acredita em si mesmo, e parte sozinho para alto-mar, munido da certeza de que, desta vez, será bem-sucedido no seu trabalho.

Esta é a história de um homem que convive com a solidão, com seus sonhos e pensamentos, sua luta pela sobrevivência e a inabalável confiança na vida. Com um enredo tenso que prende o leitor na ponta da linha, Hemingway escreveu uma das mais belas obras da literatura contemporânea.

Uma história dotada de profunda mensagem de fé no homem e em sua capacidade de superar as limitações a que a vida o submete.

3. Hibisco Roxo – Chimamanda Ngozi Adichie

download

http://amzn.to/2hKFeVE

Protagonista e narradora de Hibisco roxo , a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente “branca” e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país.

Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente.

4. As Três Marias – Rachel de Queiroz

download-1

http://amzn.to/2hfSyT1

Em seu quarto romance, As três Marias, a escritora cearense Rachel de Queiroz foi ainda mais fundo em um tema que já estava presente em todas as suas obras anteriores: o papel da mulher na sociedade. A história tem início nos pátios e salas de aula de um colégio interno dirigido por freiras: Maria Augusta, Maria da Glória e Maria José são amigas inseparáveis que ganham de seus colegas e professores o apelido de “as três Marias”. À noite, deitadas na grama e olhando para o céu, as meninas se reconhecem na constelação com a qual dividem o nome. A estrela de cima é Maria da Glória, resplandecente e próxima. Maria José se identifica com a da outra ponta, pequenina e trêmula. A do meio, serena e de luz azulada, é Maria Augusta – ou simplesmente Guta, como sempre preferiu ser chamada

5. Quarenta Dias – Maria Valéria Rezende

41lxtwbull-_sx316_bo1204203200_

http://amzn.to/2hKDFXC

Quarenta dias no deserto, quarenta anos. É o que diz (ou escreve) Alice, a narradora de ‘Quarenta dias’, romance de Maria Valéria Rezende, ao anotar num caderno escolar pautado, com a imagem da boneca Barbie na capa, seu mergulho gradual em dias de desespero, perdida numa periferia empobrecida que ela não conhece, à procura de um rapaz que ela não sabe ao certo se existe. Alice é uma professora aposentada, que mantinha uma vida pacata em João Pessoa até ser obrigada pela filha a deixar tudo para trás e se mudar para Porto Alegre. Mas uma reviravolta familiar a deixa abandonada à própria sorte, numa cidade que lhe é estranha, e impossibilitada de voltar ao antigo lar. Ao saber que Cícero Araújo, filho de uma conhecida da Paraíba, desapareceu em algum lugar dali, ela se lança numa busca frenética, que a levará às raias da insanidade. ‘Eu não contava mais horas nem dias’, escreve Alice em ‘Quarenta dias’, um relato emocionante e profundo. ‘Guiavam-me o amanhecer e o entardecer, a chuva, o frio, o sol, a fome que se resolvia com qualquer coisa, não mais de dez reais por dia (…)’. Onde andaria o filho de Socorro? A que bando estranho se havia juntado, em que praça ficara esquecido?

 6. As Meninas – Lygia Fagundes Telles 

518vfiu2etl-_sy346_

http://amzn.to/2hfXCXD

Num pensionato de freiras paulistano, em 1973, três jovens universitárias começam sua vida adulta de maneiras bem diversas. A burguesa Lorena, filha de família quatrocentona, nutre veleidades artísticas e literárias. Namora um homem casado, mas permanece virgem. A drogada Ana Clara, linda como uma modelo, divide-se entre o noivo rico e o amante traficante. Lia, por fim, milita num grupo da esquerda armada e sofre pelo namorado preso.

As meninas colhe essas três criaturas em pleno movimento, num momento de impasse em suas vidas. Transitando com notável desenvoltura da primeira pessoa narrativa para a terceira, assumindo ora o ponto de vista de uma ora de outra das protagonistas, Lygia Fagundes Telles constrói um romance pulsante e polifônico, que capta como poucos o espírito daquela época conturbada e de vertiginosas transformações, sobretudo comportamentais.

Obra de grande coragem na época de seu lançamento (1973), por descrever uma sessão de tortura numa época em que o assunto era rigorosamente proibido, As meninas acabou por se tornar, ao longo do tempo, um dos livros mais aplaudidos pela crítica e também um dos mais populares entre os leitores da autora.

7. Alice no País das Maravilhas – Lewis Carroll

51e9ghxucl-_sy346_

http://amzn.to/2hfWOSe

Passados quase 150 anos da publicação original, a clássica história de uma menina chamada Alice, que entra em uma toca atrás de um coelho e cai em um mundo de fantasia, continua popular.

Essa charmosa edição de bolso com ilustrações originais de John Tenniel, reúne Aventuras de Alice no País das Maravilhas e sua continuação, Através do espelho e o que Alice encontrou por lá.

8. Dom Casmurro – Machado de Assis

download-5

http://amzn.to/2hg1NCB

Obra clássica do Realismo brasileiro e uma das mais famosas de Machado “Ainda hoje. mais de um século depois do surgimento do livro. leitores e críticos se debruçam sobre suas páginas na tentativa de encontrar pistas que lancem luz sobre o insolúvel ‘enigma de Capitu’.” Carlos Newton Júnior “É possivelmente o texto mais bem-acabado de nossa língua.” Carlos Sepúlveda Dom Casmurro é o romance mais estudado. comentado e discutido de Machado de Assis – o que significa dizer um dos mais estudados da nossa literatura. Publicado originalmente em 1899. o livro conta a história de Bentinho e Capitu. desde o namoro infantil até o casamento atormentado pelo ciúme e pela dúvida que virou polêmica literária: Capitu traiu o marido com o melhor amigo dele. Escobar? Os fatos são narrados por Bentinho. que relembra. já velho. episódios de sua vida.

9. Turismo para Cegos – Tércia Montenegro

download-4

http://amzn.to/2hg1eIR

A vida de Laila está prestes a se esfacelar. Jovem aluna de artes plásticas, ela tem os planos interrompidos por uma doença degenerativa e incurável que vai lhe custar a visão. Conforme a cegueira avança, tarefas corriqueiras tornam-se desafios e tudo o que lhe era familiar precisa ser explorado e redescoberto. Assim, também há algo de novo no envolvimento com Pierre, um funcionário público aparentemente inexpressivo que irá cuidar de Laila com dedicação.

10. Olhai os Lírios do Campo – Erico Verissimo

download-6

http://amzn.to/2hKJftc

Primeiro best-seller de Erico Verissimo, Olhai os lírios do campo representou uma guinada na carreira literária do escritor. Várias edições se esgotaram em poucos meses. Segundo Erico, o sucesso foi tão grande que “teve a força de arrastar consigo os romances” que publicara antes em modestas tiragens.

Eugênio Pontes, moço de origem humilde, a custo se forma médico e, graças a um casamento por interesse, ingressa na elite da sociedade. Nesse percurso, porém, é obrigado a virar as costas para a família, deixar de lado antigos ideais humanitários e abandonar a mulher que realmente ama. Sensível, comovente, Olhai os lírios do campo é um convite à reflexão sobre os valores autênticos da vida.

11. Menino do Mato – Manoel de Barros

51ikbaijsl-_sx345_bo1204203200_

http://amzn.to/2hfV3Vf

Um dos últimos livros escritos por Manoel de Barros, Menino do mato sintetiza com perfeição suas aspirações e seu estilo. Esse menino, que é a consciência do poeta, deseja apreender o mundo sem explicações ou propósitos. Na primeira das duas partes que compõem esta obra, Manoel reforça sua instintiva ligação com a natureza e a infância. Em sua procura por “palavras abençoadas pela inocência”, o poeta busca o universo em seu estado primordial. A segunda parte, “Caderno de aprendiz”, evidencia a absoluta liberdade de sua linguagem. Aqui, as palavras deixam de nomear para nos fazer simplesmente sentir a pureza dos primeiros tempos de nossas vidas.

12. Feliz Ano Velho – Marcelo Rubens Paiva 

download-7

http://amzn.to/2flpMKX

Feliz ano velho é o primeiro livro de Marcelo Rubens Paiva. Aos vinte anos, ele sobe em uma pedra e mergulha numa lagoa imitando o Tio Patinhas. A lagoa é rasa, ele esmigalha uma vértebra e perde os movimentos do corpo. Escrito com sentido de urgência, o livro relata as mudanças irreversíveis na vida do garoto a partir do acidente. Ele é transferido de um hospital a outro, enfrenta médicos reticentes, luta para conquistar pequenas reações do corpo. Aos poucos, se dá conta de sua nova realidade, irreversível. E entende que é preciso lutar. O texto expressa a irreverência e a determinação da juventude, mesmo na adversidade, e a compreensão precoce “de que o futuro é uma quantidade infinita de incertezas”.

13. Razão e Sensibilidade – Jane Austen

51karbeulxl-_sx323_bo1204203200_-copia

http://amzn.to/2gMgHNA

Originalmente publicado em 1811 sob o singelo pseudônimo “A Lady”, Razão e sensibilidade começou a ser escrito na década de 1790, quando Jane Austen (1775-1817) mal havia completado vinte anos. O livro é o primeiro da série de quatro romances que Austen publicou como edição do autor em seus últimos anos de vida. Todos se tornaram clássicos da literatura inglesa do século XIX.

Embora sua trama se desenvolva durante uma época de guerra e revolução no continente europeu, o romance concentra sua narrativa nas idílicas tramas de amor e desilusão em que duas belas irmãs inglesas se envolvem – Elinor e Marianne Dashwood – quando chega a idade do casamento. À procura do amor verdadeiro, as filhas órfãs de uma família pertencente à pequena nobreza enfrentam o mundo repleto de interesses e intrigas da alta aristocracia. Marianne e Elinor representam polos opostos do universo ético de Austen: Marianne é romântica, musical e dada a rompantes de espontaneidade, ao passo que Elinor é a encarnação da prudência e do decoro.

14. A Louca da Casa – Rosa Montero

51uuvriackl-_sx340_bo1204203200_-copia

http://amzn.to/2hfWZx5

Em A louca da casa, Rosa Montero propõe aos leitores um jogo narrativo cheio de surpresas. Nele se misturam literatura e vida, num coquetel estimulante de biografias e autobiografia romanceada. E assim descobrimos que o grande Goethe adulava os poderosos até chegar ao ridículo, que Tolstói era um energúmeno, que Rosa, quando criança, via-se como uma anã e que, aos 23 anos, manteve um extravagante e hilário romance com um ator famoso.
Mas não devemos confiar em tudo o que a autora conta sobre si mesma: as lembranças nem sempre são o que parecem. Este é, afinal, um livro sobre a fantasia e os sonhos, a loucura e a paixão, os medos e as dúvidas dos escritores, mas também dos leitores. A louca da casa é, antes de mais nada, a tórrida história de amor e de salvação entre Rosa Montero e seu imaginário.


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

Entre bruxas e cortesãs | Um olhar sobre o filme “Em Luta pelo Amor”

Depois do filme, Em luta pelo amor, e das milhares de histórias que conheço sobre a condição da mulher no cinema, na literatura e na vida cotidiana, fica cada vez mais difícil se manter calada diante do esforço de todas elas por uma nesga de existência legítima e autêntica, por uma voz que ressoe no mundo sem que seja ouvida como vaidade, manipulação, feitiçaria, dominação e perigo.

Não há uma maneira pior de tirar a legitimidade dos conhecimentos de uma mulher do que os reduzir a sedução, bruxaria e histeria. Assim fez o século XVI, em Veneza, com a poetisa e cortesã, Veronica Franco, que foi levada ao tribunal da Inquisição pronta para ser queimada na fogueira por ter sido acusada, como tantas outras, de enfeitiçar os homens até seus lençóis impuros. Assim fez as diferentes épocas com várias de nós.

cfcf712df8f426394599

Naquela época, o filme mostra que o papel da mulher de família nobre restringia-se a firmar aliança de poder por meio de um casamento promissor com um nobre riquíssimo. Com os deveres de ambos cumpridos pelos votos matrimoniais, os homens podiam gozar de maior liberdade extraconjugal, sendo importante para afirmar seu poder e virilidade o relacionamento com amantes e cortesãs. As esposas, no entanto, dedicavam-se à religião, ao bordado e à garantia de herdeiros com saúde. Sempre à sombra de seus maridos, essas mulheres não tinham acesso a livros, pouco ou quase nada conheciam de filosofia, artes, geografia e assuntos políticos do Estado.

Diferente, era a educação de uma cortesã, como ilustra o filme Em luta pelo amor, de 1998, sobre a vida de Veronica Franco. Além da arte do prazer, essas mulheres dominavam os conhecimentos correntes da época, sabiam cantar, dançar, tocar instrumentos musicais, eram versadas em várias artes, acessavam bibliotecas, cultivavam a atenção e o afeto nas rodas masculinas, tendo voz e até poder de convencimento para as questões mais delicadas. As amantes também tinham força, como é o caso de Ana Bolena e Henrique VIII, com a anulação de casamentos e rompimentos institucionais.

Trailer do filme “Em luta pelo amor” http://www.adorocinema.com/filmes/filme-1033/trailer-19543409/

No mundo dominado pelo falo, a força e atuação das mulheres assusta os mais poderosos. Pouco se reteve na historiografia sobre a produção artística e científica, por assim dizer, dessas mulheres que tinham na pena da escrita e no útero o fardo de se esconderem para existir. Sempre que ameaçamos o poder, mesmo que seja para servir ao nosso país e crenças, como fez Joana D’arc, por exemplo, acabamos por sermos julgadas feiticeiras e queimadas em fogueiras, antes de fogo, agora, de símbolos. Pergunto se de fato o perigo está em nossas habilidades carnais ou na fraqueza e no abalo que causamos às hierarquias e aos lugares sociais estabelecidos pelos homens, quando começamos a lutar para mostrar que a cultura humana deve nos contemplar, porque de fato agimos no mundo e fazemos parte dela.

Queima-nos o tempo atual ao esquecer que nossos corações e mentes são produtores de conhecimento em diversas fontes do saber, ao desprezar com ar paternalista o que criamos para além dos filhos. Queima-nos aqueles que somente conseguem se relacionar conosco se tivermos condições favoráveis diante das exigências materiais e psicológicas. O nosso novo dote inclui a estabilidade econômica, um corpo impecável, a façanha de ser dona de casa exemplar, a mãe que não tiveram, a funcionária eficiente…

Enquanto redobram o número de jaulas, tomamos novamente a pena para sabermos que homens e mulheres estão presos sob os mesmos ditames materiais, para tomarmos consciência de que entre o amor e o dinheiro os valores de ambos estão comprados pela opressão e obsessão da prosperidade, sustentados pela hierarquia, pelo individualismo e pela irresponsabilidade social. Se esse era o destino somente dos homens, agora passou para nós mulheres também, mas sem que tenhamos de todo o direito de nos expressarmos, de agir no mundo, de escolher nosso caminho, de sermos cortesãs, de não sermos queimadas por sermos mulheres. Desculpem, mas queremos maior liberdade do que os seus modelos e conquistas conseguiram nos mostrar.


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

Criminalização do Aborto | O lugar dos homens na luta

A decisão do STF sobre a questão do aborto (http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2016/11/30/decisao-do-stf-legaliza-o-aborto-ate-o-terceiro-mes-da-gravidez-entenda.htm) criou um rebuliço nas redes sociais. Um dos comentários comuns que eu tenho visto de pessoas que dizem apoiar o feminismo e de algumas feministas é que “quem não tem útero não devia opinar”, no caso se referindo aos homens. Apesar de eu entender a premissa, esse tipo de discurso é muito perigoso, trazendo mais problemas do que soluções.

Em primeiro lugar, é inegável que a decisão sobre se uma mulher deve ou não abortar é de responsabilidade única e exclusiva dela. Nem Estado, nem companheiro/a, nem família têm DIREITO sobre o corpo da gestante para intervir. Todavia, isso não implica em EXCLUSÃO do processo, pois é DEVER de todos apoiar e participar de forma a dar suporte à decisão da mulher, pois essa decisão é sempre traumática.

Em segundo lugar, quando saímos da esfera do individual e/ou do familiar, a questão do aborto é uma questão de saúde pública. Apesar de não ser decisão do Estado determinar sobre se uma mulher deve abortar ou não, é seu DEVER promover políticas públicas de proteção e amparo às mulheres que quiserem/precisarem abortar. E isso não é só passivamente permitir o ato, o limite último da decisão do STF, mas efetivamente garantir a possibilidade de escolha responsável por parte da mulher, garantindo apoio psicológico, médico e legal para que o aborto não se torne uma decisão fruto da desigualdade social, das pressões econômicas, das preconcepções familiares e da fragilidade inerente ao momento da gravidez.

Por esse motivo que normalmente se percebe uma queda no número de abortos em países que legalizaram a prática: ao se tentar promover o fim do tabu sobre o aborto, as mulheres podem tomar a decisão com apoio das pessoas que a cercam e podem usufruir de uma rede de saúde social e pública de amparo que, ao fazê-la se sentir segura, diminui as ameaças, as ansiedades, os desgostos, as frustrações e os medos que podem acometer uma grávida em seu período de gestação.

Terceiro lugar, é DEVER de qualquer um dar suporte a pessoas em situação de fragilidade, na medida de suas possibilidades psíquicas, sociais e materiais. Mulheres grávidas estão em um momento de fragilidade, pois seus corpos passam por inúmeras mudanças físicas e psicológicas, que trazem não somente riscos ao corpo como também podem afetar negativamente a autoestima, a identidade e a estabilidade mental da mulher. Isso não é dizer que a mulher seja frágil por essência, de maneira nenhuma, mas as alterações no corpo, as pressões sociais e o próprio fato de a individualidade e a identidade serem afetadas pela presença de outro ser em seu corpo colocam esse momento como de fragilidade emocional, social e física da gestante.

Logo, quando uma mulher se sentir insegura quanto a sua gravidez, mostrando que está pensando no aborto, é necessário que sejamos capazes de dar suporte e cuidado, possibilitando que a mulher grávida perceba opções de futuro, sendo fundamental para aqueles que estão perto da gestante, inclusive para os homens, mostrar alternativas, se voluntariando sinceramente a ajudar e sugerindo apoio psicológico. Isso não significa de maneira nenhuma pressionar sutilmente a não abortar, mas mostrar que não é o único caminho.

Por exemplo, caso uma jovem de 18 anos tenha ficado grávida e passe a achar que sua vida vai acabar, que a criança vai impossibilitá-la de seguir uma carreira ou ter certos tipos de experiências, o aborto pode passar a ser uma possibilidade em seu horizonte de expectativas. É dever daqueles que a cercam, homens inclusos, mostrar nesse momento de INDECISÃO que ela não precisar criar x filhx sozinha, se dispondo a ajudar e tentando apresentar exemplos de outras mães que tiverem soluções inteligentes para situações semelhantes, soluções que ela pode não estar vendo por uma série de motivos. Contudo, ao mesmo tempo, é vital sempre deixar o aborto como uma opção viável, moralmente justa, completamente realizável e em equidade com as outras possíveis escolhas.

Em resumo, apesar da linha ser tênue entre a pressão e o suporte, é vital permitir, emocional, social e materialmente, que as mulheres grávidas em problemas tenham outras alternativas que não a gravidez indesejada/perigosa/inconveniente/traumática e o aborto. Isso é papel do Estado, da família, dos amigos e dos/das companheiros/as, permitir que a mulher tenha possibilidade de escolhas, de decidir plenamente entre vários caminhos, tornados possíveis e sem sobrecarga moral, emocional e material.

Por fim, é muito cruel e de um autoritarismo sutil o entendimento de que se eu não sou parte da minoria eu não devo participar DE MANEIRA NENHUMA no ativismo político, pois esse discurso muitas vezes vira desculpa para o racismo, o machismo e o classismo passivos e para a falta de comprometimento com a ação política contra as injustiças sociais. Não é porque eu sou branco, heterossexual e ocidental que eu não possa ler, me informar e dar suporte a movimentos sociais. Na verdade, por isso mesmo eu tenho o DEVER social de me informar, me educar, me transformar e ajudar os movimentos sociais sempre que possível e dentro das minhas possibilidades.

Além disso, esse discurso ignora um elemento fundamental: a grande inflexão da política que ocorreu no século XX foi o entendimento de que os processos de subjetivação (a formação de subjetividades) são processos políticos e sociais. As políticas de identidade surgidas ou recriadas no século XX tem aí a sua genealogia. Dessa forma, apesar das mulheres serem as principais prejudicadas e dos homens serem os que se beneficiam do machismo, os homens, corpos formados para o machismo, são também sujeitados (no sentido duplo de submetidos e formados enquanto subjetividades) a esse mesmo machismo. Dessa maneira, apesar de não estarem na mesma condição de opressão que as mulheres, os homens têm suas próprias pautas contra o machismo, devendo e se organizando em movimentos sociais. Por esse motivo, entre outros, que seria mais certo falar de machismos.

Isso não implica que os homens sejam feministas, no sentido de protagonistas do feminismo, mas que nós temos o dever de contribuir e dar suporte às mulheres em luta e que temos também nossas próprias contas para acertar contra o machismo. O processo de subjetificação que cria os homens-machos, nossa educação para o machismo, é cruel e tenta limitar os homens a serem opressores. Permitir novas subjetividades masculinas para além da violência, da dominação e da sexualidade do estupro é uma luta que nós homens temos que nos dedicar, em parceria com o feminismo. O movimento gay (falando aqui só dos homens homossexuais, não das lésbicas) é um exemplo dessa luta.

A luta pelos direitos reprodutivos não é, portanto, somente das mulheres, mas de todos. Aos homens se têm imposto uma paternidade da exclusão, da não participação e da reprodução do papel de “provedor”. Nós homens queremos chorar e amar com nossos filhos, queremos viver intensamente o momento de sermos pais, PARTILHANDO as responsabilidades da criação.

Um exemplo de pauta para nós homens é o aumento do tempo da licença paternidade, se possível se igualando à licença maternidade. Para os homens heterossexuais essa pauta se liga ao desejo de ajudar as suas companheiras após o parto e de serem proativos nas tarefas de criação e educação, partilhando igualmente as responsabilidades e acompanhando os primeiros momentos da criança.

Para os casais gays, o fato da licença paternidade ser bem menor que a licença maternidade prejudica e limita os cuidados que os pais devem ter ao adotar uma criança, não havendo igualdade em uma legislação que coloca esses casais, na melhor das opções, como de segunda categoria. Sermos pais que fujam dos modelos de masculinidade opressores, autoritários, violentos e que contestem o papel de provedores é uma luta necessária e deve ser protagonizada também e sobretudo por nós homens.

O Instituto PAPAI, de Pernambuco, é um exemplo de um coletivo composto por homens e mulheres voltado para a luta na formação de novas masculinidades:

 

Nossa missão é promover cidadania com justiça social, contribuindo para a garantia dos direitos humanos, em prol da eliminação de desigualdades e da afirmação e valorização da diversidade a partir da perspectiva feminista de gênero, atuando prioritariamente com homens e sobre masculinidades, contra todas as expressões do machismo.

(http://institutopapai.blogspot.com.br/p/sobre-o-grupo.html)

Enfim, as falas mencionadas no início desse texto que estão sendo criadas, divulgadas e mobilizadas nas redes sociais e em parcelas de alguns movimentos sociais, afirmando que “quem não tem útero não deve nem pensar em opinar” podem levar a interpretações e vivências que não contribuem em nada para a luta contra a desigualdade social, mas que a reforçam. É preciso a formação de coletivos, onde homens e mulheres trabalhem juntos contra suas opressões, se apoiando mutuamente e percebendo as causas em comum, sem nunca tirar o protagonismo de ninguém.

O feminismo é um movimento que veio para a ficar e os homens precisam aprender com as experiências das mulheres, permitindo que o feminismo os transformem. Podemos ser, portanto, protagonistas na luta contra o machismo também, mas entendendo quais são nossas lutas e pautas, ajudando na discussão e na promoção da luta contra as desigualdades de gênero. A questão do aborto é um dos centros atuais nesse debate. Dessa maneira, devemos, sim, discutir sobre o aborto.

Homens, a luta contra a criminalização do aborto também é nossa!


252884_103190966439346_7392168_n

Rafael de Farias Vieira, historiador e… atualizando as definições de identidade.

Vamos ser contemporâneas? | Clube Leitoras de Jane Austen

Finalmente aconteceu o nosso encontro do Clube Leitoras de Jane Austen!

Não sei se os leitores daqui já sabem, mas tive a brilhante ideia (modéstia parte) de organizar um clube de leitura só de meninas para ler a obra completa de Jane Austen. Além das reuniões entre as leitoras, combinamos de fazer um diário de leitura coletivo.

15241761_1178230772268996_4472800795284185893_n

 

A cada livro uma leitora ficará temporariamente em posse do diário para escrever suas impressões de leitura e ler o que as outras leitoras escreveram.

Esse é um movimento de amor que tenta resgatar a prática antiga de escrever à mão e, ainda, a de cultivar um diário (nada secreto).

Foi incrível ler Razão e Sensibilidade pela primeira vez. Um livro carregado de percepções ferinas sobre como as relações sociais podem ser mesquinhas. Se fosse possível renomear essa obra, um título cabível seria “Dinheiro e Amor”. Sim, o Amor em segundo lugar, porque aqui a felicidade está mais associada ao dinheiro do que à realização amorosa sincera.

Casamento nesse tempo era a coisa mais séria e vital para as moças inglesas, que, de acordo com a lei da época, não herdavam nada da família e, caso também não possuíssem dotes, dificilmente conseguiriam se sustentar e muito menos conseguiriam um casamento promissor. Essa era uma condição que a própria Jane Austen viveu, mantinha-se com a irmã, com uma pequena quantia e, enquanto escritora, arrecadava uma quantia irrisória para um sustento prolongado com base no ofício. Ô coisa difícil é ser ESCRITORA!

la-et-jc-jane-austen-app-20150928

 

A classe de média do interior da Inglaterra em meados de 1800 tinha como principal passatempo a preocupação com os casamentos e destinos das jovens moças. Aqui, fica claro para o leitor que a aparição de uma família ou de um jovem solteiro é um verdadeiro evento para a localidade. Além da preocupação mor com o alcovitamento, fica claro que a distância entre as propriedades de terra reforça a novidade que é a aparição de alguém diferente do seio familiar. Portanto, travar relações com os recém chegados era consequência natural, acarretando em longas visitas, excursões, bailes e jantares para proporcionar “encontrinhos”.

 

Atualmente, há uma dificuldade imensa de ficar sozinho e afastado das pessoas. Cidades grandes apinhadas de gente e monitoramentos via wi-fi devem deixar rastros suficientes para que você não se sinta completamente isolado. Acredite, o Google sabe onde você está nesse exato momento! Mas aquela época era tempo de cartas, demorava. As notícias vinham recentes ainda que demorassem a chegar, parecia até que os acontecimentos respeitavam o tempo de alastramento das novidades. Londres era badalada, mas Jane Austen pouco fala da capital inglesa e, quando fala, dificilmente faz elogios.

No nosso encontro foi possível ainda rever o filme Razão e Sensibilidade, vale a pena demais! Enriquecemos nossa experiência de leitura e acredito que tivemos um tanto de despertar de consciência quando olhamos a condição da mulher e o lugar social que ela ocupava em uma época diferente da nossa, fazendo as devidas comparações com a atualidade.

Pode parecer esquisito, mas o movimento de olhar a historicidade dessas narrativas, atentando para o papel da mulher é na verdade um movimento contemporâneo.  Ao reconhecer as circunstâncias históricas de uma narrativa, não estamos elaborando uma justificativa para validar o que a tradição sempre reforçou, mas sim estamos revolvendo uma terra cansada, que se bem nutrida de alteridade pode revelar frutos importantes para o momento presente.

Nunca concordei em fazer o contrário, pois acredito ser uma semeadura torta ir com os frutos e o cultivo do presente para o passado, tentando forçar ou exigir como deveria ter sido a coisa toda. Isso é uma cegueira de julgamento. Acredito que o esclarecimento vem da consciência do seu estar no mundo e, a partir disso, ser possível viajar para tempos remotos sem nunca perder a luminescência do presente, tendo a chance de conhecer e contestar a consciência de outros tempos.

Filosofei? É daí para pior… 😉

Próxima leitura: Orgulho e Preconceito.

 

Ajude o blog comprando os livros pelos links:

Orgulho e Preconceito

http://amzn.to/2gPuqlu

http://amzn.to/2fJdQHX

http://amzn.to/2gPve9O

http://amzn.to/2gYMFsI

http://amzn.to/2gYNiCt

Razão e Sensibilidade

http://amzn.to/2gPve9O

http://amzn.to/2gPtsFN

http://amzn.to/2gMgHNA

 

 

 


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

Sobre Rodas | Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva

Ler literatura brasileira se tornou tão viciante que mal me lembro dos grandes clássicos da literatura universal que tenho na estante. Sem querer fazer uma hierarquia entre as literaturas, percebo que, cada vez mais, para ser uma escritora “viajada” tenho que mergulhar na dicção da literatura brasileira contemporânea.

A tônica e cadência da leitura se encaixam perfeitamente em algo que já carrego dentro de mim. E o que seria? Ainda não sei…mas compreendo que não é apenas uma identificação de nacionalidade. É mais do que isso: é uma forma particular e ao mesmo tempo conjugada de se ver a vida e o cotidiano. Particular, porque é singular de cada escritor e conjugada, porque de alguma forma há muita empatia entre a nossas conversas (leitura).

Foi assim com o romance autobiográfico de Marcelo Rubens Paiva, Feliz Ano Velho. Fisgada já na primeira linha, passava horas e horas lendo as histórias desse garoto namorador que por conta do “destino” ficou paraplégico aos 20 anos depois de pular de cabeça em um lago raso e fraturar a medula. Contrariando a expectativa do leitor de compadecer-se do “coitado”, Marcelo faz com que a gente consiga sorrir diante das suas percepções sobre essa situação crítica.

 

tpm113-vermelhas-023

A gravidade do problema passa para a história, mas não como algo sério ou sisudo demais, chocando o leitor de sobrancelhas armadas, ao ponto de evocar o sentimento de pena. Marcelo “transa” a situação mais complicada de sua vida com o humor de um garoto que viveu e continuava vivendo relacionamentos indefinidos com as mulheres, muitas amizades e o amor à vida.

Visto como um livro de memórias, ele não se concentra apenas no período de recuperação de Marcelo, mas mergulha ainda na infância marcada pelo sumiço do pai pela Ditadura Militar, o deputado Rubens Paiva, que somente em 2014 com a Comissão da Verdade teve seu caso esclarecido. Além disso, o livro conta sobre a juventude do Autor enquanto universitário no curso de engenharia agrícola, participando ativamente das lutas políticas estudantis na Universidade de Campinas, e, ainda, suas vivências como músico de paixão.

Em meio a vários obstáculos novos, o sexo é abordado constantemente, parece até que Marcelo sabe qual a primeira coisa que o leitor vai pensar: Será que um tetraplégico consegue fazer sexo? Sente prazer? Tem ereção? (Vai bem me dizer que você sordidamente nunca se perguntou sobre isso?) Essas são também as principais questões do Autor que vê sua vida mudar radicalmente sem ter a certeza se vai conseguir andar novamente e fazer tudo o que os outros fazem.

Com um humor leve e uma linguagem despojada cheia de gírias da década de 1980, o leitor é conduzido a compreender que Marcelo não está ali contando sua jornada de herói, não se considera nem mesmo como um exemplo de superação. Sem dó algum, ele mesmo vai examinando a medula espinhal de sua personalidade imatura, machista, inconsequente e cheia de fraquezas.

A beleza do livro está certamente no sentimento de gratidão que acompanha cada conquista do corpo, na manutenção das relações de amizade que vivificam sua rotina minimalista e na presença da família, relembrando-nos o que é realmente importante valorizar na vida e que cada respiração é motivo suficiente para celebrá-la. Aqui com certeza a empatia aconteceu.


Gostou do livro? Adquira aqui e ajude o blog:

sem-titulo-4http://amzn.to/2flpMKX – FELIZ ANO VELHO

http://amzn.to/2fYUv1W BOX – “FELIZ ANO VELHO” E “AINDA ESTOU AQUI”

13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

A peregrinação interior | Quarenta Dias de Maria Valéria Rezende

É preciso deixar claro que depois de ler Quarenta Dias não é mais possível olhar para um caderno da Barbie nas Americanas e agir normalmente.

 

O livro, vencedor do 57º Prêmio Jabuti, conta a história de Alice, 60 anos, professora de línguas, aposentada e viúva, que foi levada de João Pessoa para Porto Alegre pela filha, tendo como missão ser avó profissional para que a mãe da criança continuasse sua carreira acadêmica.

Maria Valéria Rezende é freira desde os 24 anos de idade, não é, portanto, sem propósito o título do livro. A autora tem conhecimento de causa do que quarenta dias significa no universo bíblico. Esse foi o período em que Jesus passou no deserto, o qual simbolicamente os cristãos católicos retomam no período pós-Carnaval e pré-Páscoa.

Alice, narradora-personagem, também sai em peregrinação durante quarenta dias pelas ruas de Porto Alegre, passando em becos, alojamentos de construtoras, rodoviária e até saguão de pronto socorro em busca de Cícero Araújo, filho perdido da manicure de uma amiga lá de João Pessoa.

Bastou isso como pretexto para Alice sair daquela vida emprestada, daquele apartamento arranjado e sem história, daquela função imposta de ser avó. Na verdade, perdida de si mesma, sem o endereço da sua nova casa em uma cidade desconhecida, Alice preferiu passar quarenta dias em mendicância a ter que voltar para a nova situação que a vida lhe impunha.

maria-valeria

No entanto, ao contrário da figura bíblica, o terreno em que ela peregrinou era fértil, dele brota várias percepções críticas do cotidiano, como as de que lá no Sul, os de cá do Nordeste são considerados todos iguais, de que também tem gaúcho negro e de que as dicotomias entre as Regiões embalam mais proximidades e interseções do que se imagina.

“[…] desde aquela manhã, no meio daquela agitação que eu mesma causara com a minha pergunta, vinha ganhando uma calma por dentro que havia muito não sentia, as falas, emoções e estranhezas do mundo maior me chamando pra fora e a minha própria amargura encolhendo-se num canto discreto. Estranhezas, eu disse? Engraçado é que eu tinha a impressão de, afinal, quase nada ver de tão estranho assim, neste Sul tão longe de casa, o povo misturado de todas as cores, os petiscos de pobre, aquele tanto de negros gaúchos que eu nunca soube que existiam, violência e solidariedade, pobreza e necessidade, iguais às da minha terra, a pedir milagres. ” (Pág., 120)

 O olhar para o mundo não é de denúncia social – do tipo que direciona o seu ponto de vista frio sobre a condição de existência do outro, estando munido do direito de falar o que é melhor para a vida alheia –  ao contrário, Maria Valéria Rezende, por meio de Alice, tece uma narrativa vívida do que é não se sentir abrigado em si mesmo, não poder fazer escolhas e ter que exercer uma função que lhe é imposta, tendo apenas como alternativa legítima, digna e autêntica, diga-se de passagem, viver no entre-lugar, na transitoriedade das ruas, durante quarenta dias em busca de si mesma. Àquela dor de ter que ceder, de aceitar o que é obrigado sem antes digerir, foi preferível fugir e preencher o vazio com a dor crua do mundo.

“Eu descobria que o mundo era feito em grande parte de gente desaparecida atrás ou a esperar conformadamente pelos sumidos. […] A essa altura, meu caso, da minha própria filha, desaparecida simplesmente porque eu me recusava a ter mais notícias dela, começava a me parecer banal e mais uma vez me deixava levar por outra pessoa, agora, porém, sem nenhuma revolta, nem pensei em recusar, fui, pra onde me puxaram, decerto satisfeita por não ter de me emocionar com mais nada senão Cícero Araújo […]. ” (Pág., 118)

E o caderno da Barbie? Ora, pois num é dele que temos notícias de tudo! A boneca loira de olhos azuis da capa do caderno serviu ali para Alice como um ato de ressureição, a conceder o auto perdão depois da penitência. Era preciso colocar para fora, expurgar a experiência, concretizar a dor na escrita, para que a olhando de fora, pudesse facilitar o entendimento do que está dentro. O caderno da Barbie é miraculoso.

“E aqui estou vomitando nestas páginas amareladas os primeiros garranchos com que vou enchê-las até botar tudo pra fora e esconjurar toda essa gente que tomou conta de mim e grita e anda pra lá e pra cá e chora e xinga e gargalha e geme e mija e sorri e caga e fede e canta e arenga e escarra e fala e fode e fala e vende e fala e sangra e se vende e sonha e morre e ressuscita sem parar.” (Pág., 14)

Como não se surpreender com a leveza da narrativa da escritora, com a plasticidade da linguagem que sai natural, mas que revela no fundo que só sabe brincar com a linguagem e transgredir, criar novos sentidos e formas, aquele que domina e conhece a norma e suas fissuras. De contraponto fica o questionamento de que não é preciso muita coisa para escrever o que está nos afligindo; basta uma mente, sã ou não, um caderno, da Barbie, de preferência, e uma caneta. O resto, vem depois.

 

Ajude o blog comprando o livro pelo link:

sem-titulo-4 https://goo.gl/0N4LUb

 


 

13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

O Clube dos Clubes | A Leitura salvou a minha vida

Oie leitores! Esse blog é sobre vivências literárias e eu não poderia deixar de falar sobre como tudo começou. Tudo o quê? Aguarde e confie…

Fiz o curso de Letras com a pretensão de ser professora da matéria que eu mais gostava na escola, literatura. Claro que 5 anos depois muita coisa mudou. Desde o começo não sabia para que lado pender: Linguística ou Literatura? Era preciso começar a participar de grupos de pesquisa, ter um objeto de estudo, pensar no mestrado…

Terminei o curso angustiada, não sei por qual razão ter o título de mestre perdeu a graça. Depois, foi perdendo o sentido estar associada a grupos de pesquisa, ter projeto, objeto de estudo, fontes, bibliografia, metodologia, linha de pesquisa, dar aula etc etc…

Não era raro chegarem aos meus ouvidos conversas escabrosas sobre picuinhas, mesquinharias e disputas de poder entre os colegas de curso e até mesmo entre os próprios professores, que se vistos em diálogo contribuiriam muito mais para as suas áreas. Entendi com o tempo que quem deveria fazer as ligações entre a abordagem de um professor e outra era eu mesma, mas já estava cansada e a atmosfera ficou pesada demais para o meu senso de coletividade. Antes de entrar em uma pós-graduação eu já estava com depressão.

Foi aí que a Leitura entrou na minha vida!

A convite de uma amiga muito especial, comecei a frequentar o Clube de Leitura Leia Mulheres daqui de Fortaleza. De repente aquilo que antes era visto como “xoxotismo” por alguns, se tornou Feminismo. A Literatura começou a se tornar cada vez mais significativa e entrelaçada com minha experiência de ser mulher, foi um caminho sem volta.

frankenstein1fortaleza
https://leiamulheres.com.br/

Ao mesmo tempo em que começava a frequentar livrarias e cafés, fui conhecendo gente nova e colhendo mais vivências dos outros com a literatura. Até minha cidade passou a se revelar mais leitora com uma quantidade imensa de Clubes de Leitura que existiam sem eu saber!

Quando comecei a frequentar o clube, tinha medo de falar, tinha medo de parecer acadêmica demais, de calar as pessoas com o que elas achavam que eu deveria saber…. Mas tinha tanta coisa guardada, tanta coisa para falar aqui dentro, que ultrapassava essa coisa de ser “conhecedora” do assunto. Eu queria mesmo era dialogar, ler coisas novas, conhecer pessoas de áreas diferentes, mas que conservavam a mesma paixão que a minha.

Foi assim que caí no grupo Escambanautas (https://www.facebook.com/groups/cambanautas/) e no Escambau (http://escambau.org/). Acolhedor é pouco para falar sobre esse coletivo de cultura pop, geek, literatura e o Escambau, que abriu os braços para me receber enquanto eu tentava abrir minha mente para um monte de coisas novas.

capa-padrim
https://www.padrim.com.br/escambau

De lá nasceu a oportunidade de ser mediadora do Escambaclube – Clube de Leitura do Escambau. A cada encontro mais e mais me surpreendo com a galera que quer ler para escrever, refletir, falar mal, se emocionar, enfim, trocar impressões de leitura.

Depois veio a TAG – Experiências Literárias (http://www.taglivros.com/). Creio que a caixinha surpresa concentra hoje o maior clube de leitura do Brasil, com um número exorbitante de associados que recebem em suas casas muito mais do que um exemplar de livro. Recebemos, na verdade, uma vivência transmitida por um curador, juntamente com objetos que ampliam a experiência literária (por favor, não entenda como brinde), além de uma revista que nos ajuda a rememorar o que tem de interessante em cada livro do mês.

http://www.taglivros.com/
http://www.taglivros.com/

Pensando ainda em coletividade, chamei umas amigas para o Clube de Leitoras Jane Austen. Esse clube nasceu aqui de umas caraminholas na minha cabeça, pois, apesar de assistir todas as adaptações das obras dessa escritora inglesa, ainda não tinha lido mais nada além de Orgulho e Preconceito. Nosso encontro ainda vai acontecer no dia 23 de outubro, aqui em casa, com bolo e café, é claro. E sabendo do poder terapêutico da literatura, inventei de dividirmos um diário de leitura, em que vamos escrever tudo o que sentimos e pensamos umas para as outras numa espécie de rodízio – tomara que o caderno resista às lágrimas. Só amor!

14017984_1075859359172805_785626338_n

Tem mais?

Tem sim… Além dos canais que acompanho no youtube, Ler Antes de Morrer e Literature-se, descobri as potencialidades do aplicativo Amino Livros. Lá encontrei outros tipos de leitores que, sem nem se conhecerem, trocam indicações de leitura, formam clubes, grupos de discussão, trocam resenhas, vídeos… um mundo de coisas. Imagine uma mistura de WhatsApp, Instagram, Sckoob e Facebook… agora adicione aí leitores, pronto, isso aí é o Amino Livros.

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.narvii.amino.x208052164&hl=pt_BR

Como esse post está grande, por isso deixei O Clube dos Clubes para o final…

Este clube de leitura que eu tenho comigo mesma é especial, pois é com ele que entro nos eixos, que recupero minhas forças, que consigo levantar todas as manhãs para trabalhar revisando textos e auxiliando escritores. Nele, reflito as leituras da vida, das pessoas, das situações. Todo o resultado dele está aqui no Leituresca.com. Podem entrar, sejam bem-vindos sempre!

 

Imagem de: Jonathan Wolstenholme


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !

A criança de 150 anos | Alice de Lewis Carroll

A pior coisa do mundo é sabermos tudo sobre a vida de alguém que não conhecemos! Afinal, de que adianta? Essa era a minha relação com o livro Aventuras de Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll. Uma fofoca pela metade!

Por ser uma referência desde o filme de Walt Disney de 1951, facilmente me deparo com sua imagem em cadernos, blusas, pingentes, etc., mas nunca parei para ler de fato essa mocinha de mais de 150 anos. Apesar da idade, Alice não caducou. A irreverência de sua história continua a cativar aqueles que se predispõem a perseguir o coelho branco e ler o livro.

A obra foi publicada em 1865 e com a ajuda das ilustrações de John Tenniel, importante ilustrador da época, inaugura a estética do nonsense, ao mesmo tempo em que abre as portas do mercado editorial inglês para livros voltados especificamente para o divertimento das crianças.

O enredo começa com Alice já questionando para que serve um livro sem diálogos e sem figuras. Se essa questão não é a razão de ser da literatura infantil, qual seria? Entediada ao lado da irmã que lia, Alice de repente é surpreendida por um coelho branco de colete e de relógio de bolso, reclamando que está atrasado. Basta esse mote para que qualquer criança ou adulto fique ardendo de curiosidade e continue a ler o livro. (É claro que se o livro tivesse sido lançado ontem a curiosidade seria muito maior!)

white-rabbit

 

Antes que se diga algo a mais sobre a história, é importante que o leitor saiba que há dois caminhos de leitura que podem vez por outra se cruzarem. Um dos caminhos é ler viajando nas imagens absurdas e até mesmo psicodélicas sem a preocupação com o sentido ou com o significado por trás de cada cena; o outro caminho é ler parando para pensar na crítica à sociedade vitoriana e nos possíveis questionamentos existenciais que a obra suscita.

Qualquer um dos percursos escolhidos e até a intersecção deles são suficientes para que o leitor se depare com as principais contradições trabalhadas no livro: sonho x realidade e lógica racional x loucura. Vale ressaltar que essas oposições não se anulam, mas se combinam para que o leitor tenha um momento de base e se escorregue para a ruptura.

Nessas combinações contraditórias nos deparamos com:

  • a pontualidade dos ingleses na figura do coelho que sempre está correndo;
  • a crítica às várias histórias para crianças que necessariamente carregavam uma moral, visando o comportamento social e a educação moral;
  • os questionamentos ontológicos do tipo “quem sou eu?”, associados aos momentos em que Alice cresce e diminui de tamanho diante dos desafios com os quais se depara;
  • a loucura e a insensatez presentes na cena famosa do chá com o Chapeleiro, que também se remete ao costume inglês do chá das cinco;
  • a crítica ao comportamento de sua sociedade em julgar/sentenciar/condenar antes que se tenha o veredicto (inocente ou culpado), leia-se: “não tenho provas, mas tenho convicção que…”screen-shot-2014-09-15-at-11-29-14

Há ainda uma relação interessante dos livros do Carroll com jogos que envolvem raciocínio lógico, como o jogo de cartas e o xadrez, ao tornar suas respectivas peças em personagens. Talvez, e aqui deixo toda a minha reputação como leitora vulnerável, a escolha esteja associada ao fato de que esses jogos representem sociedades aristocráticas (Rei, rainha, coringa, valete, dama, bispo, peão), tal como a inglesa, em que cada elemento desempenhava uma função determinada dentro de um conjunto de regras.

Alice causa uma ruptura no sistema de regras do jogo-sociedade com sua personalidade questionadora, imaginativa, crítica, sonhadora, capaz de inverter a ordem natural das coisas, chegando a se aproximar da loucura.

Ora! E quantos por aí não foram considerados loucos somente pelo fato de serem subversivos e transgressores do sistema de regras vigente?

Será se já temos razões suficientes para ler o livro? Espera… Acrescente um pouco de animais estranhos, um gato que sorri, uma rainha de copas tirana, misture tudo até homogeneizar. Pronto, agora pode se servir. Não esqueça o chá!

 

Compre o livro pelo link e ajude o Leituresca.com!

sem-titulo-4https://goo.gl/qTvHJW

https://goo.gl/2h9YLW

 

 


13669841_1065479670210774_2813423822097175427_nAutora: Suellen Lima. Formada em Letras é escritora amadora, trabalha com revisão de textos e consultoria literária. Também é colunista, editora e revisora do portal escambau.org . Simplesmente amante da literatura no blog leituresca.com !